BANNER

.: Twitter do Blog :.

Tecnologia do Blogger.

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Alegria da Zona Sul lança logomarca e sinopse do enredo.

A Alegria da Zona Sul começou a esquentar seus tamborins para o Carnaval de 2013 depois de escolhe seu enredo "Quem não chora não mama..." que fara uma homenagem ao Cordão do Bola Preta a escola lançou sua logomarca.


Na minha opinião acho mais um bom enredo no acesso, pelo visto os enredos da escolas da Série Ouro até agora esta melhor que do Grupo Especial.


A agremiação sera a 7 desfilar na sexta-feira de carnaval na Marques de Sapucaí.


Confira a logomarca:

Confira a sinopse da escola:

“Quem não chora, não mama...”

Confetes coloridos caem como gotas de chuva do céu. As serpentinas, frágeis tiras de papel se enrolam entre nós dois e dessa forma ficamos cada vez mais próximos. Eu sou o seu pierrot e você a minha colombina mágica e misteriosa no seu vestido de bolas pretas. Assim, nasceu a ideia do nome do cordão de carnaval mais antigo do Rio de Janeiro e tudo isso começa lá na virada para o ano de 1918, em pleno réveillon carioca!

Jovens esportistas e alguns nem tanto, na sua maior parte associados do Clube dos Democráticos todos com o mesmo gosto pela cerveja gelada, mulher bonita e simples diversão no carnaval, capitaneados pelo senhor Álvaro de Oliveira mais conhecido como K. Veirinha ou Trinca Espinha e um senhor de nome Chico Brício, se juntam pelos bares da Galeria Cruzeiro e contra a nova ordem do chefe de polícia, (o mesmo do samba “Pelo telefone” do saudoso Donga) que queria proibir com cassação e até mesmo prisão, os grupos e cordões que perturbassem a ordem pública, criam o cordão, inicialmente com um baile “Maxixético e rebolativo!”- assim dizia no convite, na sede alugada do Clube dos Políticos, na rua do Passeio. Mais tarde o cordão saia pelas ruas da cidade, em calhambeques antigos e o povo fantasiado, cantado sem parar.

Primeiro as grandes sociedades e corsos frequentada pelas camadas mais ilustres, depois a pequena burguesia que se contentava com os ranchos e o seu lirismo romântico. E para os pobres e negros o que sobrava? A farra, os blocos e cordões que arrastavam o povo pelas ruas estreitas dessa cidade!Nos cafés o charme das madames e o galanteio dos elegantes cidadãos. Nos salões Sinhô era sucesso, assim como a polca e o samba chorado. Em terreiros, já se ouvia os bons partidos de samba de batuque e o anúncio de que vinha coisa boa por aí. Daí para ficar tudo mais gostoso, tinha o glamour dos anos 20 que arrebatava os poetas e cantadores. Começava a se sentir que a cadência do samba também combinava com o jeitinho francês, que invadia esse Rio de Janeiro de meu Deus! Juntando tudo isso e ainda mais a frenética cultura que fazia a cidade ferver e borbulhar... pronto, é igual a fórmula do sucesso: um bloco de rua!

Não qualquer bloco! Era o bloco carnavalesco Cordão da Bola Preta. E os jovens queriam apenas fundar um cordão chamado “Só se bebe água”. Mas, inspirados no vestido da tal colombina que deixou o pierrot a ver literalmente navios, mudaram de nome. E ganharam a fama e o amor de todos os foliões que se tornaram “bolapretenses”.
Assim que inaugurado, em princípio, só saía no carnaval. Depois, começou durante todos os anos muito badalo, farra e alegria nas dependências muito bem frequentadas do clube. Feijoadas concorridas, festas de batuque, bailes dançantes, shows musicais com cantores da época, concursos de todos os tipos. O Bola Preta era o point predileto da dita boa e formosa sociedade carioca, ali se vivia o melhor samba, a pura diversão e uma tal felicidade rasgada, sem fronteiras nem eiras, mas sempre mantendo os bons costumes pedidos do salão.

Os anos vão sendo contados através dos carnavais brincados. E quando chegava a festa de Momo, ahh, ai sim, o bloco vinha pra rua, com tudo que tinha direito! Havaianas com saruel coloridos e flores de lisolene se encontravam com piratas de capa e espada, mas sem olho de vidro e perna de pau. Tirolesas com suas perucas louras não necessariamente andavam com alemães, víamos muitas de braços e laços com caveirinhas enfezados. Diabinhos travavam guerras de lança perfume com românticos dominós. Os bate bolas multicoloridos metiam medo nas crianças fantasiadas de anjinhos e palhaços de fita. Já os índios, batiam martelos de plástico na cabeça das melindrosas que só queriam cantar e se divertir ao som da banda carnavalesca que tocava sem parar.

Os instrumentos de sopro, acorde e percussão se juntavam e orquestravam as mais famosas marchinhas, eram os grandes sucesso das rádios de todo o país, o Bola influenciou até as marchas que ficariam ou não famosas na MBP da época. Senhoras de leque na mão se abanavam, homens mais recatados não deixavam perder o tom. Assim ficamos sabendo que a jardineira estava triste com a camélia que caiu do galho, deu dois suspiros e depois morreu. Oh abre alas que eu quero passar. Ai mamãe, dá logo à chupeta pro neném não chorar! Allah-lá-ô, Allah-lá-ô, ôô, mas que calor ô ô. Era um rio de 40 graus, ou mais. E ei você ai, me dá um dinheiro aí?

Ô nega do cabelo duro, qual é o pente que te penteia? O teu cabelo não nega mesmo, mas me diz, qual é o pente que te penteia, hein? Taí eu fiz tudo pra você gostar de mim...Nessa cidade maravilhosa, cheia de encantos mil, cidade maravilhosa que até hoje é o coração do meu Brasil.

Assim o bloco ia pelas ruas do centro da cidade arrastando multidões. Homens se vestem de mulher, mulher vira valentão, a imaginação é liberada e a criatividade é premiada para quem ganhar o concurso do mais original folião. Lindas decorações compunham o cenário das ruas do centro e imediações da Cinelândia, local de partida dos desfiles do bloco, para o deslumbre visual.

Era dar um beijo apaixonado na sua amada e olhar para o céu e admirar os estandartes que enfeitavam as ruas. Era dar um gole na alegria, na ilusão, na bebida e admirar o colorido da decoração. Desciam do céu lindos adornos que emolduravam a folia, tal qual caricatura ou charge . Ou um quadro de algum pintor famoso da época.
E se fossem estandartes afro? E se “Yemanjá e seu espelho – O bairro do pelourinho na Bahia” tivessem vencido o concurso? Fernando Pamplona e Nilson Pena tiveram sua ousadia reprimida ao participarem do concurso da prefeitura. Caretice. Tolice. Vai entender a política ou pensamento de quem reprime? Afirmaram que o folclore nacional era indigno de ser decoração. O que é o Bola, afinal, senão folclore diverso da alegria etílico-momesca nacional? Mas depois isso, tudo foi revisto e eles acabaram ganhando o concurso e mais tarde Pamplona traz toda a sua inspiração para o desfile do Acadêmicos do Salgueiro.

Mas nem com toda polêmica o Bola Preta deixou de passar! Muito confete caiu ao longo desses anos, muita água de cheiro se jogou e o arlequim continua chorando pelo amor da colombina no meio da multidão. Hoje, o bloco arrasta mais de dois milhões de foliões pelas ruas dessa cidade, nas manhãs de sábado de carnaval.Turistas que tentam registrar com suas máquinas ou celulares, essa transe que acontece com os foliões do bloco Cordão da Bola Preta. Crianças brincam sem parar, os mais jovens vão para se ajeitar com as “gatetes” do momento, artistas e políticos não podem deixar de frequentar e os velhos não ficam sentados, se animam, se levantam e vão sambar!
É uma catarse, uma overdose de alegria, que junta sambistas com animação e suor. E o querido Bola que surgiu de um protesto contra uma proibição, virou patrimônio histórico cultural da cidade do Rio de Janeiro. Dessa forma, no seu desfile de folia, trabalhadores se libertam das regras do seu dia a dia e investem naquela paquera, acompanhados pela estúpida cerveja gelada. Os doidos camelôs tentam ganhar os últimos trocados para os momentos da festa profana. É uma procissão, diria uma comunhão de alegria, com hora para começar e terminar ao som da Banda Show e o lema de fazer e incentivar o carnaval de rua e não deixar a música popular brasileira morrer. É mais que um bloco, é um manifesto sócio cultural que une, congrega, aclama e propaga a paz o amor e a folia! Assim o Bola se torna o maior representante desse jeitão irreverente de ser carioca!

Rainhas famosas são coroadas, princesas garbosas reinam nos quatro dias de festejo e o Grêmio Recreativo Escola de Samba Alegria da Zona Sul nesses 20 anos de sua existência e resistência ao verdadeiro carnaval carioca, tem a honra de contar e homenagear em tema de enredo, os 95 anos de história do bloco carnavalesco Cordão da Bola Preta, a mais antiga instituição do carnaval carioca.

Hoje, com licença da nossa respeitada velha guarda, as nossas baianas rodopiaram com mais garra, mulatas e passistas formam o famoso triangulo com pandeiros, tão esquecido nos desfiles de escola de samba e todos se juntam para homenagear o querido Bola. E nós anônimos, porém animadíssimos foliões cariocas, vamos cantar em alto e bom som que:

“Quem não chora não mama, segura meu bem a chupeta. Lugar quente é na cama, ou então no Bola Preta. Vem pro Bola meu bem com alegria infernal. Todos são de coração, todos são de coração foliões do carnaval! Sensacional!”- (Nelson Barbosa/Vicente Paiva - 1962)Para todos que acreditam na resistência do carnaval carioca, do tema de enredo folião acima de qualquer dinheiro e para aquele que quebrou as regras dos desfiles das escolas de samba na cidade do Rio de Janeiro, Fernando Pamplona.
 

Texto e pesquisa : Eduardo Gonçalves
Agradecimentos e colaboração : Eduardo Nunes, Fábio Fabato e Vinicius Ferreira Natal.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

 

Blogger news

Coloque seu Email aqui:

Delivered by FeedBurner

Blogroll

Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to Spanish