BANNER

.: Twitter do Blog :.

Tecnologia do Blogger.

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Confira a sinopse do enredo da Leandro de Itaquera.


Confira a sinopse na íntegra
Argumento
Até pouco tempo, as pessoas custavam a crer que a África um dia tivesse erguido civilizações. Mas hoje temos consciência que o continente africano foi o berço da raça humana e o palco de algumas das nossas primeiras expressões culturais.
Hoje vivemos numa nação continental, linda por natureza, multicultural e miscigenada onde o encontro de três grandes etnias fez do Brasil um país único. Este encontro entre o índio dono da terra, o branco colonizador e o negro trazido da África para o trabalho, formou a nossa essência brasileira.
Para desfazer uma das grandes lacunas da nossa história, a Leandro de Itaquera traz para o carnaval de 2013 mais um tema que exalta a brasilidade e o orgulho de sermos miscigenados e afros descendestes no sangue e na cultura.
Durante mais de 480 anos da nossa história o negro ora escravo e depois liberto contribuiu para o nosso crescimento como nação e com a força do seu trabalho e sua cultura, hoje tão enraizada no nosso dia a dia: dança, música, arte, religião, culinária, manifestações folclóricas e é claro no nosso jeito de ser, sambista e carnavalesco, esbanjando alegria e calor humano.
É com esta alegria, alegria do samba, do carnaval, do negro, do brasileiro, é que a Leandro de Itaquera tem a honra de trazer para o carnaval de 2013 o enredo: "O LEÃO GUERREIRO MOSTRA SUA FORÇA! É A GARRA E A BRAVURA DO NEGRO NO QUILOMBO DA LEANDRO DE ITAQUERA", e com ele com certeza mostraremos o quão rico e grande é o nosso carnaval, a nossa cultura popular já que nós aqui de Itaquera nos orgulhamos de sermos afros brasileiros.
"... As raízes fincadas em solo estrangeiro
Crescem fortes e guerreiros
Levando adiante a alegria
Que um dia foi um soluçar de dor."
Cesar Moura
Primeiro setor
"Com as bênçãos de Mãe África os tambores da Zona Leste anunciam a chegada do Leão Guerreiro na avenida."
O Leão Guerreiro de Itaquera está despertando para mais uma luta, para mais uma disputa e para mais uma conquista, ele está com sede de vitória.
Os tambores sagrados da Zona Leste ecoam anunciando a chegada da Leandro de Itaquera na avenida que traz consigo e sob as benções de Mãe África, continente berço da existência humana, a garra e a bravura do negro que no Brasil sempre preservou sua cultura.
O Leão Guerreiro da Zona Leste anuncia a chegada da corte negra de Ganga Zumba grande rei da resistência negra no Brasil, formador de um dos maiores quilombos no Brasil: Palmares, uma nação negra dentro do Brasil, rompendo barreiras e resistindo pela força e pela bravura a dura escravidão negra brasileira.
É com a essência e a majestade de Ganga Zumba rei negro dentro do Brasil e com a força do guerreiro Zumbi que a Leandro de Itaquera anuncia o seu carnaval que exaltará a cultura negra e afro brasileira em toda sua maestria e dignidade.
Salve Ganga Zumba, salve Zumbi dos Palmares, salve Mãe África, salve o negro brasileiro e o solo sagrado do Carnaval paulistano.
Axé!!!
"... Negro entoou
Um canto de revolta pelos ares
No Quilombo dos Palmares
Onde se refugiou..."
Trecho de "Canto das Três Raças" - Paulo Cesar Pinheiro
* Pontos importantes:
- África - berço da nossa existência, Os guerreiros africanos, Quilombo dos Palmares - resistência negra,  Ganga zumba - "o grande rei de Palmares", A corte de Ganga zumba no carnaval paulistano, Zumbi - "o grande guerreiro negro", Os tambores da Zona Leste, Itaquera - solo sagrado - resistência negra, O despertar do "Leão Guerreiro".
Segundo setor
"A Força do Negro, que com braço forte construiu o nosso Brasil."
Durante mais de trezentos anos o negro foi trazido da África para trabalhos forçados no Brasil. De lá vieram negros africanos de várias etnias, de várias nações que foram importantes para a nossa formação cultural afro brasileira, onde destacamos os negros da etnia Banto, Iorubá e Jêje.
Esses negros mesmo escravizados nunca deixaram de lado a sua essência cultural e preservaram todos os seus costumes.
Foi através da força do negro no trabalho escravo que tivemos a alvorecer das riquezas do nosso Brasil, no cultivo da cana no Nordeste, na extração do ouro nas Minas Gerais e centro do Brasil e na cultura do café no Sudeste brasileiro.
Sem duvida não seriamos nada sem o braço forte do negro escravo que além do trabalho e da construção da riqueza do nosso país não se rendeu a escravidão preservando suas raízes africanas.
"Era um sonho dantesco... o tombadilho 
Que das luzernas avermelha o brilho.
Em sangue a se banhar.
Tinir de ferros... estalar de açoite... 
Legiões de homens negros como a noite,
Horrendos a dançar..."
Trecho de "Navio Negreiro" - Castro Alves
* Pontos importantes:
- O tráfico negreiro, As nações africanas no Brasil, A nação Banto, A nação Iorubá, A nação Jêje, O negro construindo as riquezas do nosso Brasil, O ciclo do açúcar, O ciclo do ouro, O ciclo do café.
Terceiro setor
"Seja na Religião, nas Artes, na Culinária ou em suas Festas , o Negro mostra a sua cultura, sua alegria e seu valor."
O Negro no Brasil sempre soube e conseguiu resistir e preservar a sua cultura e com a imensa miscigenação cultural temos esta cultura presente hoje fortemente no nosso dia a dia.
O negro resistiu através da sua religião preservando as suas crenças e cultos nos seus deuses onde exaltamos a presença do Candomblé, e todas as suas "nações": Ketu, Jêje, Nagô, Fon, etc., espalhadas e cultuadas por todo o Brasil com milhares de adeptos. O Negro também resistiu com o sincretismo religioso e o surgimento da Umbanda, religião tipicamente brasileira e de origem negra africana, com a mistura de elementos do Candomblé com os seus deuses, da Igreja Católica e seus santos e a religiosidade e doutrina Kardecista.
No Brasil vemos também a resistência da cultura africana enraizada em vários segmentos: na dança, na nossa ginga, na nossa musicalidade, nas várias manifestações folclóricas espalhadas por todo Brasil como: o Maracatu, a Congada, o Maculelê, entre muitas outras, na nossa culinária, nas artes, e sem esquecer é claro no samba e no nosso carnaval, motivo maior de nossa existência.
Com isso somos sem duvidas um país extremamente miscigenado e culturalmente afro brasileiro, sendo a nação mais africana fora da África.
"... Na Minh’alma ficou
O samba
O batuque
O bamboleio
E o desejo de libertação."
Trindade, 1961
* Pontos importantes:
- Resistência religiosa do negro - o candomblé, O sincretismo religioso - a umbanda, Resistência e miscigenação cultural, O negro e as festas populares, A culinária de origem negra, A arte africana no Brasil.
Quarto setor 
"A Resistência do Samba e o Quilombo Leandro de Itaquera"
A Leandro de Itaquera em seus 30 anos de história no Carnaval paulistano sempre mostrou muito bem a sua vocação para o desenvolvimento de temas enredos voltados a cultura africana e afro brasileira, e isso não é por acaso, sem duvida hoje a Leandro de Itaquera por sua história e por sua tradição no carnaval representa um ponto de resistência da cultura negra e um ponto de resistência do samba e do carnaval, preservando até hoje as tradições, um verdadeiro "Quilombo do Samba Paulistano".
É neste clima de festa e de comemoração em prol da cultura negra no Brasil que a Leandro de Itaquera "pede passagem" as nossas co-irmãs do samba e mostra nossa história cultural negra no carnaval de São Paulo, relembrando cinco grandes carnavais e cinco grandes momentos da nossa história em defesa do samba e da cultura negra.
Em 1988 a "Vermelho e Branco" da Zona Leste com apenas seis anos de existência mostra a sua força conquistando uma vaga no grupo de elite do carnaval paulistano com o tema enredo: "ELO DA PAZ, O ARCO-ÍRIS DE OXUMARÊ, FESTA NA SENZALA", exaltando a cultura e religiosidade do negro brasileiro e sendo campeã do grupo de acesso daquele ano.
No ano seguinte 1989 a Leandro de Itaquera reforça esta sua conquista num carnaval inesquecível: "BABALOTIM, A HISTÓRIA DOS AFOXÉS", carnaval este que até hoje esta na memória dos sambistas de São Paulo por ser um carnaval marcante, divisor de águas e com seu samba cantado por muitos e considerado um dos melhores sambas de enredo das últimas décadas.
Em 1992 a Leandro traz para a avenida mais um tema afro: "BATUQUE, A FORÇA DE UMA RAÇA", num carnaval memorável e até hoje um hino dentro da nossa comunidade de Itaquera.
Já em 1996 amargando estar novamente no grupo de acesso trás para a passarela do samba o enredo: "300 ANOS DE ZUMBI, A FESTA É NOSSA", dando a volta por cima e num grande campeonato retoma o seu lugar ao grupo especial do Carnaval paulistano.
Em 2008 também no grupo de acesso a Leandro de Itaquera conquista novamente seu lugar entre as grandes escolas de São Paulo com o tema: "AFRO BAHIA, DA REVOLTA DOS MALÊS AO ESPLENDOR DE UM NOVO DIA, A ROMA NEGRA INVADE ITAQUERA NESTE DIA DE ALEGRIA", mais um carnaval memorável exaltando este imenso Brasil de herança africana e de essência afro brasileira.
Para o Carnaval de 2013 reforçaremos mais ainda esta nossa identidade negra no carnaval paulistano, pois acreditamos da cultura do samba, do carnaval e nesta raiz brasileira miscigenada e afro brasileira onde : "O LEÃO GUERREIRO MOSTRA A SUA FORÇA! É A GARRA E A BRAVURA DO NEGRO NO QUILOMBO DA LEANDRO DE ITAQUERA".
Pedimos a benção e o axé de Mãe África, e saudamos o nosso povo, nossa cultura e nosso carnaval. Axé!!!
"... Axé pra quem tem fé, e quem não tem...Axé para você também."
Trecho do samba de enredo de 1989 da Leandro de Itaquera
* Pontos importantes:
- A musicalidade, ritmo e a ginga do negro, O samba como forma de resistência, Escola de Samba - zona da paz, ponto de resistência da cultura negra, Carnavais afros da Leandro de Itaquera, "Elo da Paz - O Arco-íris de Oxumarê, Festa na Senzala", "Babalotim - A História dos Afoxés", "Batuque - A força de uma raça", "300 anos de Zumbi - A festa é nossa", "Afro Bahia - Da revolta dos Malês ao esplendor de um novo dia, a Roma negra invade Itaquera neste dia de alegria", O Leão Guerreiro da zona leste "pede passagem" em homenagem ao samba e suas coirmãs, Leandro de Itaquera - "Quilombo do samba paulistano".
Sinopse escrita e desenvolvida por: Rodrigo Cadete
Montagem Técnica
Primeiro setor: "Com as bênçãos de Mãe África os tambores da Zona Leste anunciam a chegada do Leão Guerreiro na avenida."
- Comissão de Frente: "Os Guerreiros de Zumbi"
- Primeiro Casal de Mestre-Sala / Porta Bandeira (Pavilhão Oficial): "Com as bênçãos de Mãe África"
- Ala 01 (Baianas): "Mãe África, berço da nossa existência"
- Carro Abre-Alas: "O Leão Guerreiro da Zona Leste convoca a corte de Ganga Zumba, nosso grande rei 
Segundo setor: "A Força do Negro, que com braço forte construiu o nosso Brasil."
- Ala 02: "A Nação Banto"
- Ala 03 (Bateria): "Com as bênçãos de Xangô, a Nação Iorubá"
- Ala 04: "A Nação Jêje"
- Casal de Mestre-Sala / Porta-Bandeira: "As Riquezas da Terra Brasil"
- Ala 05: "As riquezas do nosso Brasil 1 - Ciclo do Açúcar"
- Ala 06: "As riquezas do nosso Brasil 2 - Ciclo do Ouro"
- Ala 07: "As riquezas do nosso Brasil 3 - Ciclo do Café"
- Carro 02: "A força do Negro e a construção das riquezas do nosso Brasil."
Terceiro setor: "Seja na Religião, nas Artes, na Culinária ou em suas Festas , o Negro mostra a sua cultura, sua alegria e seu valor."
- Ala 08: "O Candomblé e a Religiosidade do Negro"
- Ala 09: "A Umbanda e o Sincretismo Negro"
- Ala 10: "A dança e Musicalidade do Negro"
- Casal de Mestre-Sala / Porta-Bandeira Mirim: "O Rico Folclore Brasileiro"
- Ala 11: "Congadas, Maracatus, Maculelês: As festas de origem negra no Brasil"
- Ala 12: "A Culinária de origem Africana"
- Ala 13: "As Artes Negras no Brasil"
- Carro 03: "O Negro e a Miscigenação Cultural - Orgulho de sermos Afro-Brasileiros."
Quarto setor: "A Resistência do Samba e o Quilombo Leandro de Itaquera"
- Ala 14: "1988 - Elo da Paz, o Arco-íris de Oxumarê, Festa na Senzala"
- Ala 15: "1989 - Babalotim, a História dos Afoxés"
- Ala 16: "1992 - Batuque, a Força de Uma Raça";
- Ala 17: "1996 - 300 anos de Zumbi, a Festa é Nossa"
- Ala 18: "2008 - Afro Bahia, da Revolta dos Malês ao Esplendor de um novo dia, a Roma Negra Invade Itaquera neste Dia de Alegria";
- Casal de Mestre-Sala / Porta Bandeira (Pavilhão de Enredo): "O Quilombo da Leandro de Itaquera";
- Ala 19 (Velha Guarda): "Leandro de Itaquera pede Passagem em Respeito às Tradições"
- Carro 04: "É carnaval e o Negro está em festa, exaltando a tradição e o Quilombo do Samba Paulistano - Leandro de Itaquera."
( Ala das crianças (na quarta alegoria) - "A nossa vermelho branco do amanhã )  
Rodrigo Cadete / Fabio Flisch

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 

Blogger news

Coloque seu Email aqui:

Delivered by FeedBurner

Blogroll

Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to Spanish